terça-feira, 19 de maio de 2015

Por quando não te amo

Por quando eu não te amo
Faço verso em prosa torta
Por quanto eu te amo
Durmo inerte contigo nos braços

Por enquanto eu te amo
E já não sei desde quando
Por tanto que te amo
Que te vejo em outras faces

Portanto, te amo.
Mas, escrevo agora e
Por quando não te amo

 Que é quando morro de saudade. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário